O desenvolvimento histórico da educação ambiental brasileira: apontamentos e desafios para a educação ambiental historicamente necessária

Bruno Wilwert Tomio, Cloves Alexandre de Castro

Resumo


O objetivo deste artigo consiste em expor uma revisão teórica da gênese e marcos históricos da formalização e desenvolvimento institucional da educação ambiental brasileira para, a partir de tal revisão, apontar e fomentar o debate a respeito de uma educação ambiental historicamente necessária perante as profundas contradições e desafios ambientais da realidade nacional brasileira. Este artigo, que é fração de um estudo efetuado no âmbito do projeto Conhecer Pedalando, utilizou-se de critérios do método e pensamento crítico-dialético para a melhor compreensão e, consequentemente, para o melhor enfrentamento às transformações e contradições da dinâmica real de tal campo educacional e ideológico que vem se desenvolvendo institucionalmente no país desde a década de 1970. A partir do estudo de alguns dos avanços e contradições do desenvolvimento da educação ambiental brasileira, encontram-se poucos motivos para a conivência com o nível e impacto da práxis real das propostas, políticas, e práticas de educação ambiental na sociedade brasileira. Diante do exposto, o texto propõe e estimula a pensar e concretizar uma educação ambiental nacional emancipatória como a educação ambiental historicamente necessária frente aos dilemas e desafios ambientais do povo e nação brasileira perante as contradições do subdesenvolvimento e do caráter dependente do capitalismo brasileiro.


Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. A ambientalização das lutas sociais: o movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, 2010.

AGUDO, M. M. “A maior flor do mundo” de José Saramago e a educação ambiental na escola. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências. Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2013.

AGUDO, M. M.; TEIXEIRA, L. A. As contribuições da Pedagogia Histórico-Crítica para a Educação Ambiental Crítica. In: PASQUALINI, J. C.; TEIXEIRA, L. A.; AGUDO, M. M. Pedagogia Histórico-Crítica: Legado e perspectivas. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018. p. 213-234.

ALEXANDRE, A. F. A perda da radicalidade do movimento ambientalista brasileiro: uma contribuição à crítica do movimento. Blumenau/Florianópolis: Edifurb/Editora da UFSC, 2000.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil. Brasília: 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acessado em: 7 nov. 2019.

______. Lei nº 7.735, de 22 de fevereiro de 1989. Dispõe sobre a extinção de órgão e de entidade autárquica, cria o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e dá outras providências. Brasília, DF, fev. 1989. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7735.htm>. Acesso em: 7 abril. 2020.

______. Ministério da Educação. Resolução n°. 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília, DF, 2012. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 2 nov. 2019.

______. Ministério da Educação. Tratado de Educação Ambiental. 1992. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf . Acesso em: 06 mar. 2020b

______. Ministério da Educação e do Desporto. A Implantação da Educação no Brasil. Brasília, DF,1998.

______. Ministério do Meio Ambiente. Política de Educação Ambiental. Conferência Subregional de Educação Ambiental para a Educação Secundária. Chosica/Peru, 1976. Disponível em: https://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/pol%C3%ADtica-nacional-de-educa%C3%A7%C3%A3o-ambiental.html . Acesso em: 16 fev. 2020.

CNUMAH. Declaração de Estocolmo sobre o ambiente humano. Estocolomo, 1972. Disponível em: . Acesso em: 23 fevereiro 2020.

COSTA, C. A.; LOUREIRO, C. F. B. Contribuições da Pedagogia Crítica para a pesquisa em Educação Ambiental: Um debate entre Saviani, Freire e Dussel. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 10, nº 1, p. 180-200, 2015.

CRUZ, L. G. Políticas Públicas de Educação Ambiental: um estudo sobre a Agenda 21 escolar. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência), Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2014.

FREIRE, P. Ação Cultural para a Liberdade e outros escritos. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FIGUEIREDO, P. B. Políticas de Educação Ambiental na escola pública: avanços e retrocessos. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência), Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2018.

GRÜN, M. Ética e Educação Ambiental: a conexão necessária. 7 ed. Campinas: Papirus, 2003.

GUNDER FRANK, A. Capitalism and Underdevelopment in Latin America. Monthly Review, vol. 18, nº 4, set. 1966.

JIMENEZ, S.; TERCEIRO, E. A crise ambiental e o papel da educação: um estudo fundado na ontologia marxiana. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.25, n.03, p.299-325, dez. 2009.

KAPLAN, L.; LOUREIRO, C. F. B. Análise crítica do discurso do Programa Nacional de Formaçao de Educadoras(ES) Ambientais – PROFEA: pela não despolarização da Educação Ambiental. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n.02, p.177-196, ago. 2011.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

LAMOSA, R.; LOUREIRO, C. F. B. Agronegócio e educação ambiental: uma análise crítica. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 83, abr./jun. 2014.

LAYRARGUES, P. P. Quando os ecologistas incomodam: a desregularão ambiental pública no Brasil sob o signo do Anti-ecologismo. Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, Brasília, v. 12, p. 1-30, 2018.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, São Paulo. v. 17, n. 1, p. 23-40, 2014.

LOUREIRO, C. F. B. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em Educação Ambiental. Educação e Sociedade, Campinas. v. 27, n. 94, p. 131-152, jan.-abr. 2006b.

__________. Educação Ambiental Crítica: Princípios Teóricos e Metodológicos. Rio de Janeiro: Hotbook, 2002.

__________. O dito e o não dito na “década da Educação para o desenvolvimento sustentável” provida pela UNESCO. Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 11, n. 2, 2016.

__________. O movimento ambientalista e o pensamento crítico: uma abordagem política. 2. ed. Rio de Janeiro: Quarter, 2006a.

__________. Questões ontológicas e metodológicas da educação ambiental crítica no capitalismo contemporâneo. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient., Rio Grande, v. 36, n. 1, p. 79-95, jan./abr. 2019.

__________. Premissas teóricas para uma educação ambiental transformadora. Revista Ambiente e Educação, Rio Grande, v.8, n.1, p.37-54, Jan./Jun. 2003.

LOUREIRO, C. F. B.; LAMOSA, R. Educação ambiental no contexto escolar: um balanço crítico da década da educação para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Quartet/CNPq, 2015.

LOUREIRO, C. F. B.; SAISSE, M. Educação ambiental na gestão ambiental pública brasileira: uma análise da SEMA ao ICMbio. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 23, n. 52, p. 105-129, jan./abr. 2014.

MAIA, J. S. S. Os vinte anos da PNEA. Entrevista com a Professora Dra. Marília Freitas de Campos Tozoni-Reis. PRACS, Macapá, v. 11, n. 2, p. 89-95, jul./dez. 2018.

MARINI, R. M. Subdesenvolvimento e revolução. 6. ed. Florianópolis: Insular, 2017.

NEVES, J. P. O vir-a-ser da educação ambiental nas escolas públicas de Penápolis – SP. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência), Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2009.

OURIQUES, N. O colapso do figurino francês: crítica às ciências sociais no Brasil. Florianópolis: Insular, 2015.

RAMOS, E. C. Educação ambiental: origem e perspectivas. Educar, Curitiba, n.18, p.201-218. 2001.

SAMPAIO JR., P. A. Crônica de uma crise anunciada: crítica à economia política de Lula e Dilma. São Paulo: SG-Amarante Editorial, 2017.

________________. Globalização e reversão neocolonial: o impasse brasileiro. In: VÁSQUEZ, G. H. (Org.). Filosofía y teorías políticas entre la crítica y la utopia. CLACSO, Consejo latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires. 2007. p. 143-155.

TOMIO, B. W. As histórias que me levam ao projeto “Conhecer Pedalando” e os caminhos de uma aventura no Mestrado. Metodologias e Aprendizado, v. 2, p. 1 - 9, maio 2020.

TOMIO, B. W.; DALCASTAGNÉ, G. Conhecer pedalando: uma proposta e práxis de educação ambiental crítica. REBELA, Florianópolis, v.8, n.3. set./dez. 2018.

TREIN, E. S. A educação ambiental crítica: crítica de que? Revista Contemporânea de Educação. v. 7, n 14, Rio de Janeiro, 2012.

VIEIRA PINTO, A. Consciência e realidade nacional: volume II: a consciência crítica. Rio de Janeiro: Contraponto, 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REBELA - Revista Brasileira de Estudos Latino-Americanos
ISSN 2237-339X
Instituto de Estudos Latino-Americanos - IELA
Universidade Federal de Santa Catarina
Centro Socioeconômico - Primeiro andar - Bloco D 
Florianópolis SC
Telefone: + 55 48 37216483

e-mail:iela@contato.ufsc.br