Dez regras práticas para a terapia com corticoides nas doenças inflamatórias em adultos

Autores

  • Fabricio Souza Neves Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.32963/bcmufsc.v4i11.3339

Palavras-chave:

Corticoesteroides, Glucocorticoides, Guia, Prednisona, Hidrocortisona, Dexametasona

Resumo

Corticosteroides (ou corticoides) são fármacos muito utilizados na prática clínica. Uma de suas principais aplicações é no tratamento de doenças de natureza inflamatória ou autoimune, em que são capazes de aliviar a dor, preservar a função de órgãos vitais e até salvar a vida de pacientes graves. No entanto, seu uso também está associado ao risco de efeitos adversos também graves. Por esses motivos, ter destreza em sua prescrição e manejo dos efeitos adversos é uma competência essencial ao clínico. Para facilitar essa tarefa, este artigo resume conceitos de farmacologia, fisiologia e clínica em relação ao uso de corticoides para o tratamento de doenças inflamatórias e autoimunes em pacientes adultos, na forma de dez regras práticas. 

Biografia do Autor

Fabricio Souza Neves, Universidade Federal de Santa Catarina

Médico formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002), com Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009) na área de processos inflamatórios e alérgicos. Fez Residência em Clínica Médica no Hospital Governador Celso Ramos da Secretaria de Estado da Saúde/SC (2004) e em Reumatologia no Hospital das Clínicas da USP (2006), com título de especialista da Sociedade Brasileira de Reumatologia (2006). Desde 2011 é professor adjunto do Departamento de Clínica Médica da UFSC, onde é responsável pelo conteúdo de Reumatologia para o curso de graduação em Medicina, e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas da UFSC. Foi chefe do Departamento de Clínica Médica entre 2013 e 2014, coordenador do Curso de Graduação em Medicina da UFSC entre 2015 e 2016, e é vice-diretor do Centro de Ciências da Saúde desde 2017.

Referências

Shaikh S, Verma H, Yadav N, Jauhari M, Bullangowda J. Applications of steroid in clinical practice: a review. ISRN Anestesiology 2012; 1-11. DOI 10.5402/2012/985495

Glyn J. The discovery and early use of cortisone. J R Soc Med 1998; 91: 513-517.

Parente L. Deflazacort: therapeutic index, relative potency and equivalent doses versus other corticosteroids. BMC Pharmacol Toxicol 2017; 18: 1-8. DOI 10.1186/s40360-016-0111-8

Stuck AE, Minder CE, Frey FJ. Risk of infectious complications in patients taking glucocorticosteroids. Rev Infect Dis 1989; 6: 954-963.

Dixon WG, Kezouh A, Bernatsky S, Suissa S. The influence of systemic glucocorticoid therapy upon the risk of non-serious infection in older patients with rheumatoid arthritis: a nested case–control study. Ann Rheum Dis 2011; 70: 656-960.

McFadden ER Jr. Dosages of corticosteroids in asthma. Am Rev Respir Dis 1993; 147: 1306-1310.

Janssens HJ, Janssen M, van de Lisdonk EH, van Riel PL, van Weel C. Use of oral prednisolone or naproxen for the treatment of gout arthritis: a double-blind, randomised equivalence trial. Lancet 2008; 371: 1854-1860.

Coutinho AE, Chapman KE. The anti-inflammatory and immunosuppressive effects of glucocorticoids, recent developments and mechanistic insights. Mol Cell Endocrinol 2011; 335: 2-13.

Alves C, Robazzi TCM, Mendonça M. Withdrawal from glucocorticosteroid therapy: clinical practice recommendations. J Pediatr (Rio J) 2008; 84: 192-202.

Bukley L, Guyatt G, Fink HA et al. 2017 American College of Rheumatology guideline for the prevention and treatment of glucocorticoid-induced osteoporosis. Arthritis Rheum 2017; 69: 1521-1537

Santiago M, Leitão B. Prevention of strongyloides hyperinfection syndrome: A rheumatological point of view. Eur J Intern Med 2009; 20: 744–748.

Luz KR, Souza DCC, Ciconelli RM. Vaccination for immunocompromised patients and patients with autoimmune rheumatic diseases. Rev Bras Reumatol 2007; 47: 106-113.

Youssef J, Novosad SA, Winthrop KL. Infection risk and safety of corticosteroid use. Rheum Dis Clin North Am 2016; 42: 157–176.

Hench PS. Nobel Lecture: The reversibility of certain rheumatic and non-rheumatic conditions by the use of cortisone or of the pituitary adrenocorticotropic hormone. Nobelprize.org. Nobel Media AB 2014. Web. 18 Jul 2018. http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/medicine/laureates/1950/hench-lecture.html

Downloads

Publicado

2018-12-05

Edição

Seção

Artigos