Perfil demográfico e socioeconômico das portadoras de HIV/AIDS do serviço de ginecologia e obstetrícia de um hospital universitário em Santa Catarina

Karoline Bunn Borba, Rosemeri Maurici Silva

Resumo


Introdução: A ampla disseminação da epidemia de HIV/AIDS e seu rápido avanço resultaram no acometimento de indivíduos de diferentes faixas etárias e níveis socioeconômicos. Objetivo: Conhecer o perfil socioeconômico, demográfico e de contágio dos pacientes portadores de HIV/AIDS atendidos no Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do HUPEST/UFSC. Método: Foi realizado um estudo transversal envolvendo pacientes atendidos no serviço. A população foi selecionada por conveniência. Os dados foram coletados pela aplicação de questionários estruturados contendo perguntas relacionadas ao perfil sociodemográfico, tempo de tratamento, tempo de infecção pelo HIV, satisfação com a saúde e com a qualidade de vida. Os dados foram analisados descritivamente. Resultados: Responderam ao questionário 18 pacientes. Os resultados mostraram uma idade média de 40,8 anos (DP ± 10 anos), a maioria das pacientes com 2º grau completo de escolaridade e vivendo como casadas. Realizaram o primeiro teste de HIV positivo entre os anos de 2011 e 2015. A principal via de transmissão foi a sexual. Os pacientes majoritariamente não se consideravam doentes, referiam sua saúde como boa e estavam satisfeitos com a qualidade de vida. Conclusão: O perfil sociodemográfico da população estudada não se diferenciou de outros estudos em situações semelhantes, mesmo levando em consideração as diferenças regionais e as várias faces da epidemia no Brasil.


Palavras-chave


Síndrome da Imunodeficiência Adquirida; Epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


CDC Center for Disease Control and Prevention (Estados Unidos), World Health Organization. Epidemioly of HIV/AIDS. Estados Unidos, 1981-2005. MMRV 2006; 55(21):589-92.

Ministério da Saúde (Brasil). Boletim Epidemiológico – AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, 1999; XIII.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias. Guia de Bolso. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

Fundação Nacional de Saúde (Brasil). Guia de Vigilância epidemiológica. Brasília:FUNASA, 2002.

Saldanha AAW. Vulnerabilidade e construções de enfrentamento da soropositividade ao HIV por mulheres infectadas em relacionamento estável (tese). São Paulo: USP; 2003.

Coordenação Nacional de DST e Aids (Brasil). A Aids nas fronteiras do Brasil. Brasília, 2003.

Gruner MF et al. Perfil epidemiológico de pacientes com HIV/AIDS em um hospital de referência: análise comparativa entre os anos de 1997 e 2001. Arq Cat Med 2005; 34(3): 63-7.

Ministério da Saúde (Brasil). Recomendações para Terapia Anti-Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV. Brasília, 2006.

Bertoni RF, Bunn K, Silva J, Traebert J. Perfil demográfico e socioeconômico dos portadores de HIV/AIDS do Ambulatório de Controle de DST/AIDS de São José, SC. ArqCatarinMed 2010; 39(4):75-9.

Szwarcwald CL et al. Comportamento de risco dos conscritos do Exército Brasileiro, 1998: uma apreciação da infecção pelo HIV segundo diferenciais sócio-econômicos.Cad Saúde Pública 2000; 16: 113-26.

Santos NJS et al. A AIDS no Estado de São Paulo: As mudanças no perfil da epidemia e perspectivas da vigilância epidemiológica. Rev Bras Epidemiol 2002; 5: 286-310.

Tomazelli J et al. Distribuição dos casos de AIDS em mulheres no Rio de Janeiro, de 1982 a 1997: uma análise espacial. Cad Saúde Pública 2003; 19: 1049-61.

Toledo LSG et al. Características e tendências da AIDS entre idosos no Estado do Espírito Santo. Rev Soc Bras Med Trop 2010; 43: 264-7.

Galvão MTG et al. Avaliação da qualidade de vida de mulheres com HIV/AIDS através do Hat-Qol. Cad Saúde Pública 2004; 20: 430-7.

Varella RB. Aspectos da epidemia de AIDS em município de médio porte do Rio de Janeiro, 2000-2004. Rev Bras Epidemiol 2006; 9(4): 447-53.

Grangeiro A et al. Magnitude e tendência da epidemia de AIDS em municípios brasileiros de 2002-2006. Rev Saúde Pública 2010; 44(3): 430-41.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência à mulher portadora de HIV durante parto e puerpério. Brasília: MS; 2001.

Moura EL, Praça NS. Transmissão vertical do HIV: expectativas e ações da gestante soropositiva. Rev Latino-am Enfermagem 2006; 14(3): 405-13.

Fonseca MGP et al. Análise sociodemográfica da epidemia de Aids no Brasil, 1989-1997. Rev Saúde Pública 2002; 36: 678-85.

Dourado I et al. Tendência da epidemia de Aids no Brasil após a terapia anti-retroviral. Rev Saúde Pública 2006; 40: 9-17.

Vieira FMA. Qualidade de vida de pessoas com AIDS em uma região portuária do sul do Brasil (dissertação). Florianópolis: UFSC; 2008.

Zimpel R, Fleck MPA. Quality of life in HIV-positive Brazilians: application and validation of the WHOQOL-HIV, Brazilian version. Aids Care 2007; 17(7): 923-30.

Wig N et al. The impact of HIV/Aids on the quality of life: a cross sectional study in north India. Indian J Med Sci 2006; 60(1): 3-10.




DOI: https://doi.org/10.32963/bcmufsc.v4i7.2986

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Karoline Bunn Borba, Rosemeri Maurici Silva

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/