A judicialização dos direitos sociais e os limites ao ativismo judicial no âmbito da jurisdição constitucional

Filipe Cortelletti, Silvana Hirsch

Resumo


O ativismo judicial se fortaleceu e tornou-se uma linha de atuação defendida por muitos membros do Poder Judiciário. É notório que o advento da Constituição Federal de 1988 bem como a constitucionalização das relações sociais e do Direito influenciaram este fortalecimento. Além disso, a omissão da Administração Pública em efetivar direitos protegidos constitucionalmente impulsiona a disseminação dessa linha ativista de atuação judicial, que encontra na jurisdição constitucional seu espaço ideal de crescimento. É função do Poder Judiciário, em geral, proteger a Constituição Federal bem como resguardar os princípios fundamentais do Estado Democrático de Direito. Apesar de possuir respaldo legal e legitimidade democrática para atuar nessa linha ativista, o Judiciário e seus membros possuem suas decisões limitadas pelo ordenamento jurídico vigente visando impedir a caracterização de uma hegemonia judicial. Este artigo, desta forma, visa discorrer sobre a atuação do Poder Judiciário face à omissão dos poderes Legislativo e Executivo, muitas vezes verificada na sociedade brasileira moderna. Tal atuação defendida por alguns autores e criticada por outros passou a ser mais frequente após a promulgação da Constituição Federal de 1988, dando maior ênfase à presença do Ativismo Judicial no Brasil. Tal fenômeno que, de certa forma, é uma vertente da Judicialização da Política, consiste em uma maior atividade do Poder Judiciário em questões políticas sociais a fim de garantir, principalmente o acesso aos direitos fundamentais a uma parcela mais carente da população.

Palavras-chave


Ativismo Judicial; Judicialização; Jurisdição Constitucional; Constitucionalização

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 4ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

BARROSO, Luiz Roberto. Judicialização, Ativismo Judicial e Legitimidade Democrática. Disponível em: Acesso em 26 de maio de 2016.

_______. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. Revista Atualidades Jurídicas. nº 4, jan-fev/2009, OAB. Disponível em . Acesso em 31 de maio de 2016.

_______. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. 4ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

BOCCATO, ESDRAS. As deficiências do Poder Legislativo como fator de impulsão do ativismo judicial no Brasil. Revista de Direito Constitucional e Internacional. vol. 90/2015, p. 63-76, jan-mar. 2015.

BORGES, André Kenji Moreira. Judicialização, Ativismo Judicial e Direitos Constitucionais no Brasil. Dissertação. Brasília, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Vade Mecum Saraiva. 21ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2016.

BUCCI, Eduardo Sadalla. A jurisdição constitucional e a contextualização do texto da Constituição Federal de 1988: mutação constitucional. Revista de Direito Constitucional e Internacional, vol. 87/2014, p. 213-238, abr-jun, 2014.

CANALEZ, Jorge Baptista Junior. STF e o Direito Fundamental à Saúde: Judicialização, Ativismo e Bricolagem. Dissertação. São Paulo: Estácio de Sá, 2012. Disponível em HTTP://portal.estacio.br/media/4111713/jorge%20baptista%20canalez%20junior.pdfd

CARDOSO, Oscar Valente. Ativismo Judicial ou Inativismo Parlamentar? Disponível em: Acesso em 26 de maio de 2016.

ENGISCH, Karl. Introdução ao pensamento jurídico. Trad. J. Baptista Machado. 7ª ed. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbenkian, 1996.

FAGUNDES, M. Seabra. O Controle dos Atos Administrativos pelo Poder Judiciário. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 1984.

FARIAS, Rachel Nunes de Carvalho. O Ativismo Judicial e a Ingerência do Poder Judiciário na Escolha de Políticas Públicas. Revista dos Tribunais, 2014.

FAZIO, Cesar Cirpiano de. Panorama sobre o Ativismo Judicial e a Judicialização da Política no Direito Brasileiro. Revista dos Tribunais, 2014.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Aspectos de Direito Constitucional contemporâneo. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de direito Constitucional. 6ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2011.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 3 ed. rev. atual e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia e a efetividade de direitos fundamentais, controle judicial de políticas públicas e separação de poderes – anotações ao AGRG no AGIN 708.667 do STF. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 921, jul. 2012.

_______; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito Constitucional Ambiental, 3ª ed.São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

_______; _______. Breves considerações sobre os deveres de proteção do Estado e a garantia da proibição de retrocesso em matéria ambiental, Revista de Direito Ambiental, São Paulo, v. 58, p. 41-85, 2010.

STEINMETZ, Wilson Antônio; HEIZ, Bruno Gabriel. A face prestacional do direito ao ambiente: políticas públicas e gestão ambiental. In: JOBIM, Marco Félix (Org.). Inquietações jurídicas contemporâneas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

STF. RE 956475/RJ, Rel. Ministro Celso de Mello, DJU de 12-05-2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Silvana Hirsch